Precisamos de sua ajuda para manter nossas atividades.
Atualmente, além das inúmeras despesas fixas, são também centenas de metas, projetos e desafios a conquistar que dependem de sua colaboração direta. Escolha abaixo como pode nos ajudar:

Ação voluntária

Atue junto aos núcleos, participe de cursos, panfletagens, manifestações e divulgue a doutrina para outras pessoas.
Ação voluntária
OU

Contribuição financeira

Ajude a manter nossos projetos. Para colaborações financeiras, escolha aqui a opção mais adequada a você: boleto ou depósito.
Colabore



Os operários

Esses, que aí vão, em multidões, enchendo os bondes, os trens dos subúrbios, povoando as estradas, ressoando os passos nas pedras das ruas, mal rompe a aurora, — são eles, os cons­trutores de toda a grandeza material de um povo.

São eles, os operários, os que batem o aço das naves, os que erguem os vigamentos dos prédios, os que fiam e tecem as roupas que vestimos, os que fabricam mil objetos, todos esses que constituem os primores da civilização.
 
À luz vermelha das fornalhas, revolvendo o carvão incan­descente; domando o aço que amolda ao canto das bigornas; movendo as chaves que despertam o clamor dos motores e dos dínamos; — ei-los, os criadores do progresso, os mágicos das forjas, dos tornos, dos teares, dominadores dos elementos.
 
Sem eles não há realizações materiais numa Pátria. Sem eles não há força, saúde, riqueza e conforto num país. Sem a colaboração deles será inútil o esforço dos cientistas, dos inventores, dos técnicos, dos estadistas. Porque os operários são a inteligência executora comandada pela inteligência cria­dora, e uma não pode passar sem a outra, pois ambas se completam.
 
* * *
 
Desgraçados os países onde os operários foram transfor­mados em seres sem alma, autômatos sem vontade, nos quais morre toda a alegria da criação que vem do fundo de um coração livre!
 
Desgraçados os países, também, onde os operários são es­quecidos, humilhados, desprezados e explorados, vivendo uma vida sem esperança!
 
Uma nação só é grande quando os seus operários são felizes, quando eles sentem, na segurança da sua liberdade e na fartura do seu lar, a justiça e o respeito dos seus com­patriotas.
 
O operário brasileiro tem uma extraordinária missão. O Brasil é um país novo, onde quase tudo está por fazer. Pos­suímos jazidas imensas de ferro a explorar; um extenso terri­tório, que deve ser cortado de estradas de ferro. Precisamos de uma grande frota para o nosso comércio marítimo e de uma poderosa esquadra para a defesa do nosso litoral. Temos necessidade de construir estradas para automóveis e automó­veis para essas estradas. É-nos indispensável contar com mi­lhares de aviões, pois além de sermos a Pátria da Aviação, o nosso território é de tal forma gigantesco, estendendo-se em tão vastas latitudes, que os meios rápidos de comunicação nos são imprescindíveis. Urge criarmos uma laboriosa agricultura e uma indústria nacional, capazes de aproveitar as produções da terra. Por todos esses motivos, ser operário no Brasil é ser soldado de um grande exército, o Exército da Economia Nacional.
 
Para ter uma compreensão profunda do seu glorioso pa­pel, o operário brasileiro deve guardar no intimo do seu cora­ção o amor da Pátria, que lhe dará a idéia da dignidade do Trabalho. Esse sentimento deve ser acompanhado pelo da Família, que imprime ao Trabalho um caráter de Humanidade, espiritualizando o seu esforço construtor, e pelo sentimento de Deus, que inspira confiança, ânimo e fortaleza, enaltecendo e elevando a criatura que, por Ele, se salva do perigo de se bru­talizar e se transformar em máquina inconsciente.
 
À primeira hora do dia, quando o perfil das fábricas se estampa no róseo tom da alvorada, e as chaminés, ao canto das sereias, elevam para o espaço o seu pendão de fumo, como é comovente a marcha dos operários para o trabalho!
 
Quereis sentir a maravilhosa grandeza do homem, no ins­tante em que realiza o seu esforço criador?
 
Vede aquele quadro: o trabalhador levanta com sua tenaz a barra incandescente da fornalha. Leva-a para a bigorna. Como gritos de luz, irradiam-se vivas fagulhas; multiplicam-se, em círculos, como estrelas. Retine, cantando, a voz do metal. E o trabalhador, coroado por uma constelação de fúlgidas cen­telhas, resplandece como estátua de ferro em estremecimentos humanos. E o clarão que se reflete no suor do seu rosto, parece dar estranhos polimentos ao semblante de músculos retesos no ímpeto criador e na glorificação do homem.
 

Plínio Salgado
 
Nota:
[1] Nosso Brasil, 1937, in Obras Completas, 1954, S. Paulo, Vol. 4, pág, 341.


Os operários | - Integralismo | Frente Integralista Brasileira ..