Precisamos de sua ajuda para manter nossas atividades.
Atualmente, além das inúmeras despesas fixas, são também centenas de metas, projetos e desafios a conquistar que dependem de sua colaboração direta. Escolha abaixo como pode nos ajudar:

Ação voluntária

Atue junto aos núcleos, participe de cursos, panfletagens, manifestações e divulgue a doutrina para outras pessoas.
Ação voluntária
OU

Contribuição financeira

Ajude a manter nossos projetos. Para colaborações financeiras, escolha aqui a opção mais adequada a você: boleto ou depósito.
Colabore



Revolução integralista

("A Ofensiva", 17.01.35, pág. 1, Ano II, n.° 36)

Está desfraldada a bandeira da Grande Revolução. A de 30 não satisfez a angústia brasileira. Ela não chegou mesmo a ser uma Revolução. Trouxe, no seu bojo, alguns idealistas, alguns políticos, em luta pelos interesses hegemônicos, e teve, na História, a projeção medíocre de um simples movimento armado.

Esse movimento não trouxe consigo uma ordem de idéias inspiradoras. Não o precedeu a enunciação de uma doutrina que dissesse algo de novo ao país. Se a Revolução, como afir­mou Bonaparte, é uma idéia que encontra as pontas das baione­tas, os desfiles marciais de outubro levaram na sua marcha a palidez cinzenta das lâminas de aço, sem o brilho de santelmo do pensamento renovador.

Não se pode negar, entretanto, que a chamada revolução de 30 fosse um episódio profundamente significativo na vida nacio­nal. Sob a cerrada floresta dos fuzis palpitava o sofrimento de um povo. Sob o estrépito das marchas e os gritos das metra­lhadoras havia um surdo rumor, que não foi ouvido, que não foi compreendido, que até hoje não foi levado em consideração.

Secreto balbuciar de aflitivas dores, de velhas angústias, ele pedia às classes cultas, aos que estudam, aos que se inte­ressam pela vida nacional, que o decifrasse. A Nação sabia, apenas, murmurar confusamente seus desejos, exprimir vaga­mente os seus anseios. Não tinha o dom da palavra.

* * *

Revolução é o dom da Palavra das Nacionalidades. Quando uma Pátria aprende a falar, dá-se uma Revolução.

Foi o que aconteceu agora. A revolução de 30 era apenas uma voz desconexa. O Integralismo é uma palavra. Em 30 tínhamos a onomatopéia. Em 33, temos a proposição com sen­tido lógico.

O Brasil aprendeu a falar.

Já não precisa de caudilhos. Já não quer conspirações na treva. Já dispensa o jogo dos partidos. Já repele as tisanas do sufrágio. Já sabe que eleições de nada valem. Já rejeita os medalhões, os protetores, os "pais da Pátria". Já não se utiliza de descontentes. Já não se serve de pergências entre provín­cias para armar um movimento de quartéis. Despede os procura­dores em causa própria ou com mandatos especiais. Não lhe falem em cicerones ou intérpretes.

As dores da Pátria manifestaram-se em gemidos, em vozes esparsas, em movimentos reflexos. Depois, o subconsciente da Nação informou o seu consciente. As interjeições transforma­ram-se em vocábulos. A Revolução começou.

Só agora. Porque Revolução é transformação de consciên­cias, é novo ritmo social, é mudança de mentalidade, é forma­ção de mentalidade nova, é recomposição de energias, é pala­vra que fala com nexo firme, é gesto que se anima de harmo­nias e se exprime em eloqüência.

* * *

Esta longa escravidão ao capitalismo internacional; este longo trabalho de cem anos na gleba, para opulentar os cofres de Wall Street e da City; esta situação deprimente em face do estrangeiro; este cosmopolitismo que nos amesquinha; estas lutas internas que nos ensangüentam; esta aviltante propaganda co­munista, que desrespeita todos os dias a bandeira sagrada da Pátria; este tripudiar de regionalismos, em esgares separatistas, a enfraquecer a Grande Nação; este comodismo burguês; a mi- séria em que vivem as nossas populações sertanejas; a opressão em que se debate nosso proletariado, duas vezes explorado, pelo patrão e pelo agitador comunista e anarquista; a vergonha de sermos um país de oito milhões de quilômetros quadrados e quase cinqüenta milhões de habitantes, sem prestígio, sem crédito, corroídos de politicagem de partidos, — tudo isto nos ensinou, ao cabo de tantas atormentações e desespero, essa coisa que os povos adquirem com suor, com sangue, com tra­gédia: o dom da palavra.

Revolução não é masorca de soldados amotinados; não é rebelião de camponeses ou proletários; não é movimento arma­do de burguesias oligárquicas; não é movimento de tropas de governos provinciais; não é golpe de militares; não é a conspirata dos partidos; não é guerra civil generalizada. Revolução é movimento de cultura e de espírito. Transforma-se uma cul­tura, assume-se nova atitude espiritual, como conseqüência, aba­la-se até aos alicerces os velhos costumes, destruindo tudo, para construir de novo, porque destruir, apenas, não é Revolução.

Rompemos hoje, apoiados em milhares de camisas-verdes, que já possuem, disseminados por todo o território da Pátria, uma nova consciência, as baterias da nossa ofensiva contra um estado de coisas que repugna ao nosso espírito.

Não se trata de ofensiva contra um partido, contra um governo, contra uma classe; trata-se de uma ofensiva contra uma civilização.

* * *

Pode ser petulante esta atitude, olhada com olhos que enve­lheceram em espírito e persistem em conviver com os fantasmas do século XIX. Pode ser ridícula, considerada por quantos já se habituaram, à força de ouvir os mestres de uma fase deca­dente, a considerar os brasileiros incapazes, mental e moral­mente, de assumir atitudes autônomas no mundo. Para os blasés, para os refinados, para os eunucos e os decrépitos, seremos ridículos, pretendendo erguer a voz brasileira no meio dos outros povos.

Para nós, porém, esta revolução integralista tem as energias sagradas do próprio espírito da Pátria em rebeldia, em agressividade contra uma civilização que criou a luta de classe, desorganizou as bases morais das nacionalidades e que nos amarrou, durante cem anos, como escravos miseráveis, aos pés da mesa onde o capitalismo internacional se banqueteia, surdo ao gemido dos povos.


Plínio Salgado

Nota:
[1] Extraído de: Palavra Nova dos Tempos Novos, Obras Completas, vol. 7, pág. 219.



Importante

 

 

 


Publicidade




01/12/2017, 17:14:47

Revolução integralista | - Integralismo | Frente Integralista Brasileira ..