Precisamos de sua ajuda para manter nossas atividades.
Atualmente, além das inúmeras despesas fixas, são também centenas de metas, projetos e desafios a conquistar que dependem de sua colaboração direta. Escolha abaixo como pode nos ajudar:

Ação voluntária

Atue junto aos núcleos, participe de cursos, panfletagens, manifestações e divulgue a doutrina para outras pessoas.
Ação voluntária
OU

Contribuição financeira

Ajude a manter nossos projetos. Para colaborações financeiras, escolha aqui a opção mais adequada a você: boleto ou depósito.
Colabore



Ariano Suassuna, in memoriam

Foi com profundo pesar que recebemos, no último dia 23 de julho, a notícia do falecimento do escritor Ariano Suassuna, ocorrido na mesma data, na Cidade do Recife, em decorrência de um acidente vascular cerebral. Romancista, dramaturgo, poeta, ensaísta e idealizador do Movimento Armorial, que tem por meta fundamental a elaboração de uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste do Brasil, se fez o autor do Auto da Compadecida e do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta um dos mais fulgurantes astros do firmamento literário nacional, assim como um dos mais notáveis cultores e divulgadores das tradições pátrias em geral e nordestinas em particular. Daí ser sua partida deste Mundo uma perda irreparável para este vasto Império por nome de Brasil, que o tem, aliás, não apenas entre seus primeiros homens de letras, mas também entre seus primeiros patriotas.

Ariano Villar Suassuna nasceu na Cidade de Nossa Senhora das Neves da Paraíba, atualmente chamada João Pessoa, a 16 de junho de 1927, sendo filho do Dr. João Urbano Pessoa de Vasconcellos Suassuna, então Presidente da Paraíba, e de D. Rita de Cássia Dantas Villar. No ano seguinte, havendo o Dr. João Suassuna deixado a Presidência da Paraíba, retornou, com toda a família, para o Sertão, lugar de origem desta, que passou a residir na Fazenda Acauã, no Município de Aparecida da Paraíba. Dois anos mais tarde, durante a chamada Revolução de 1930, o Dr. João Suassuna, então Deputado Federal, foi assassinado, no Rio de Janeiro, por partidários de seu falecido rival, João Pessoa, que o acusavam de estar envolvido no assassínio deste, fato que, aliás, desencadeara o aludido levante político-militar.

Em 1933, a família Suassuna, agora liderada por D. Rita e bastante empobrecida depois da grave seca do ano anterior, que dizimara praticamente todo o seu gado, mudou-se para Taperoá, no alto Sertão dos Cariris Velhos da Paraíba do Norte, onde Ariano estudou as primeiras letras e se ambienta, aliás, boa parte de sua rica obra literária, incluindo o auto e o romance que mencionamos no início deste artigo.

No ano de 1942, mudou-se a família Suassuna para o Recife, onde Ariano estudou no Ginásio Pernambucano, no Colégio Americano Batista e no Colégio Oswaldo Cruz, no qual concluiu o ensino secundário, ingressando, em 1946, na tradicional Faculdade de Direito do Recife.

Entre os anos de 1946 e 1948, publicou, na revista Estudantes, da Faculdade de Direito, no jornal do Diretório Acadêmico da Faculdade de Medicina e em suplementos de jornais recifenses, seus primeiros poemas ligados ao romanceiro popular do Sertão Nordestino. Em 1947, escreveu a primeira peça teatral, Uma mulher vestida de sol, com a qual ganhou, no mesmo ano, o Prêmio Nicolau Carlos Magno, do Teatro do Estudante de Pernambuco.  

Em 1948, inspirado no trabalho do poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca, principiou a fazer teatro ambulante, sendo sua peça O desertor de Princesa, que tinha então o título de Cantam as harpas de Sião, montada, pelo Teatro do Estudante de Pernambuco, no Parque 13 de Maio, no Recife. No ano seguinte, escreveu a peça Os homens de barro e, em 1950, o Auto de João da Cruz, peça inspirada em folhetos da literatura de cordel, pela qual recebeu o Prêmio Martins Pena, conferido pela Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco. Ainda em 1950, formou-se em Direito e, em virtude de doença pulmonar, se mudou para Taperoá, onde residiu até 1952 e escreveu, em 1951, a peça para mamulengos Torturas de um coração ou em boca fechada não entra mosquito.

Em 1952, após retornar ao Recife, começou a trabalhar, como advogado, no escritório do Dr. Murilo Guimarães e escreveu a peça O arco desolado, que mereceria, dois anos mais tarde, menção honrosa no Concurso do IV Centenário da Cidade de São Paulo, e que foi inspirada na peça A vida é sonho, de Calderón de la Barca.

Entre os anos de 1952 e 1956, dedicou-se, sobretudo, à advocacia, não deixando, porém, de escrever. São desta época, além da aludida peça O arco desolado, as peças O castigo da soberba, de 1953, O rico avarento, de 1954, e Auto da Compadecida, escrita em 1955, e também o romance A história do amor de Fernando e Isaura, que, inspirado na lenda celta de Tristão e Isolda, foi concluído em 1956 e publicado apenas em 1994.

No ano de 1956, deixou a advocacia e se tornou professor de Estética da Universidade Federal de Pernambuco, escrevendo, para seus alunos, um Manual de Estética, publicado, em edição mimeografada, pelo Diretório da Faculdade de Filosofia. Lecionaria, ainda, na mesma universidade, Literatura Brasileira e Teoria do Teatro, além de História da Cultura, esta última disciplina no curso de mestrado em História da referida instituição de ensino. Ainda no referido ano, passou a dirigir o setor cultural do Serviço Social da Indústria-Departamento Regional de Pernambuco, permanecendo em tal cargo até 1960.

Em 1957, desposou D. Zélia de Andrade Lima, que lhe daria seis filhos. No mesmo ano, com a peça O casamento suspeitoso, montada em São Paulo pela Companhia Sérgio Cardoso, recebeu o Prêmio Vânia Souto de Carvalho, da Associação dos Cronistas Teatrais de Pernambuco, e, com a peça O santo e a porca, ganhou a medalha de ouro da Associação Paulista dos Críticos Teatrais. Ainda em tal ano, foi publicada, no Rio de Janeiro, pela Editora AGIR, a primeira edição do Auto da Compadecida.

No ano de 1958, escreveu a peça O homem da vaca e o poder da fortuna, e recebeu, com o Auto da Compadecida, a medalha de ouro da Associação Paulista de Críticos Teatrais. Foi considerado o “Melhor Autor Nacional de Comédia” pela Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura do Rio de Janeiro, então ainda Distrito Federal, e recebeu, ainda, o Prêmio Vânia Souto de Carvalho e o Prêmio Samuel Campelo, ambos conferidos pela Associação dos Cronistas Teatrais de Pernambuco.

Em 1959, já nacionalmente consagrado e reconhecido como um dos principais dramaturgos brasileiros, escreveu a peça A pena e a lei, feita a partir de seu entremês para mamulengos Torturas de um coração; recebeu novamente os prêmios Vânia Souto de Carvalho e Samuel Campelo, da Associação dos Cronistas Teatrais de Pernambuco, e, por fim, teve o Auto da Compadecida publicado, em tradução polonesa, pela revista Dialog, de Varsóvia. No ano seguinte, formou-se em Filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco e escreveu, a partir de seu entremês O homem da vaca e o poder da fortuna, a Farsa da boa preguiça, que seria montada, um ano mais tarde, pelo Teatro Popular do Nordeste, que também encenaria, em 1962, sua peça A caseira e a Catarina, escrita neste último ano.

No ano de 1963, foi publicada, pela University of California Press, a tradução do Auto da Compadecida para o idioma de Shakespeare e de Ezra Pound. No ano imediato, publicou, pela editora Imprensa Universitária, da Universidade Federal de Pernambuco, as peças Uma mulher vestida de sol e O santo e a porca. A primeira versão desta última obra para a língua de Cervantes, de Calderón de la Barca e de Lope de Vega seria publicada dois anos mais tarde, na Argentina. Ainda em 1964, veio à luz a tradução holandesa do Auto da Compadecida, cuja versão castelhana seria dada à estampa no ano seguinte, na Espanha.

Em 1967, foi o autor de A História do amor de Fernando e Isaura um dos membros fundadores do Conselho Federal de Cultura, ao qual pertenceu até o ano de 1973, nele convivendo com intelectuais como Hélio Vianna, Adonias Filho, Octavio de Faria, Cassiano Ricardo, Gilberto Freyre, Guimarães Rosa, Rachel de Queiroz, Josué Montello, Djacir Menezes, Pedro Calmon, Afonso Arinos de Mello Franco, Peregrino Júnior, Gladstone Chaves de Mello, Vianna Moog, Sílvio Meira, Gustavo Corção e Andrade Muricy [1]. Em 1968, tornou-se também um dos membros fundadores do Conselho Estadual de Cultura de Pernambuco, de que igualmente fez parte até 1973.

Nomeado, pelo Reitor Murilo Guimarães, Diretor do Departamento de Extensão Cultural da Universidade Federal de Pernambuco em 1969, ocupou tal cargo até 1974. Ainda em 1969, a peça A pena e a lei foi premiada no Festival Latino-Americano de Teatro, em Santiago, no Chile, e foi gravada, no Brasil, a primeira versão cinematográfica do Auto da Compadecida, sob a direção de George Jonas.

No ano de 1970, foi lançado, no Recife, o Movimento Armorial, por ele idealizado, e foi publicada, em Paris, edição do Auto da Compadecida traduzida para a língua de Victor Hugo, Balzac, Baudelaire e Mallarmé.

Em 1971, publicou, pela José Olympio Editora, do Rio de Janeiro, o Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, que, por ele classificado como “romance armorial brasileiro”, é, em nosso sentir, não apenas sua obra-prima, como também um dos grandes clássicos da Literatura Sertaneja, Nordestina e Brasileira. No mesmo ano, também deu à estampa, pela Editora AGIR, a peça A pena e a lei, enquanto na então Alemanha Ocidental, foi publicada versão do Auto da Compadecida no idioma de Goethe, Hölderlin, Rilke e Stefan George.

Rachel de Queiroz escreveu, com razão, no prefácio que fez ao Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, que, em Ariano Suassuna, assim como, em seu entender, em Villa-Lobos e Portinari, “a força do artista obra o milagre da integração do material popular com o material erudito, juntando lembrança, tradição e vivência, com o toque pessoal de originalidade e improvisação” [2]. Como ponderou a romancista de O Quinze, o autor paraibano sempre olhou para o Mundo Sertanejo “com a visão do exilado, ainda na adolescência arrancado ao seu sertão natal”, por isso sempre o descrevendo “muito belo e mágico” e tendo “recuo suficiente para descobrir o mistério onde os da terra naturalmente só veem o cotidiano” [3].

Carlos Drummond de Andrade se referiu ao Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, por ocasião de seu lançamento, como o “extraordinário romance-memorial-poema-folhetim que Ariano Suassuna acaba de explodir”, ressaltando o caráter “febril” do livro e a “fantasmagoria de suas desaventuras, que trazem a Idade Média para o fundo Brasil do Novecentos” [4]. Carlos Lacerda, por seu turno, também por ocasião do lançamento do aludido romance, afirmou que, “entremeado, todo o tempo, de símbolos e alusões, de recordações e fantasmas”, é tal livro um “poço inesgotável de estudos analíticos, livro de cabeceira para psicólogos e sociólogos”, assim como uma verdadeira “explosão de maravilha”, que ousou comparar mesmo ao Dom Quixote de Cervantes [5].

Maximiano Campos, por seu turno, aduziu, no posfácio escrito ao Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, que, com aquela obra, o Brasil encontrava um “grande romancista” em Ariano Suassuna, que já era, em sua opinião, “seu maior dramaturgo”. Este “livro, mágico, violento e belo” é, em seu sentir, um romance superior, como Grande Sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, pertencendo, assim como esta obra, ao número dos “livros que transcendem ao mero enredo e fabulação e nos fazem ficar tentados a chamá-los de epopeias” [6]. Em tal romance vemos, ainda nas palavras de Maximiano Campos, Ariano Suassuna “construindo, com o auxílio do sonho e a força do seu poder criador, o seu castelo rude e poético, sertanejo e barroco, áspero e iluminado como as terras do seu Sertão” [7].

Em 1973, com o Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, recebeu Ariano Suassuna o Prêmio de Ficção conferido pelo Ministério da Educação. No ano seguinte, publicou, pela José Olympio Editora, a Farsa da boa preguiça e uma Seleta em prosa e verso; pela editora Guariba, do Recife, a obra Ferros do Cariri, e, pela Editora Universitária, da Universidade Federal de Pernambuco, O Movimento Armorial.

Em 1975, foi nomeado Secretário de Educação e Cultura da Cidade do Recife, cargo que ocupou até o ano de 1978, e deu à estampa, pela Editora Universitária, a sua Iniciação à Estética. Entre 1976 e 1977, publicou, na forma de folhetins, no Diário de Pernambuco, As infâncias de Quaderna, memórias da meninice do personagem-narrador do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, que tem, aliás, muito do próprio autor. Ainda em 1977, foram publicados, num só volume, o “romance armorial” História do rei degolado nas caatingas do Sertão e a “novela romançal brasileira” Ao sol da onça Caetana, e, em 1979, foi editada, em Stuttgart, tradução alemã do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta.

Em 1981, com o falecimento do Príncipe Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança, herdeiro do trono brasileiro, Ariano Suassuna, que era, desde a juventude, um militante da causa monárquica, se autointitulando um “monarquista de esquerda”, abandonou o movimento monárquico, desgostoso por saber que os dois filhos mais velhos de Dom Pedro Henrique, Dom Luiz e Dom Bertrand, que passaram a encabeçar o referido movimento, eram membros da organização “direitista” denominada Tradição, Família e Propriedade (TFP). Segundo suas próprias palavras, tal desgosto não foi senão “desgosto de que aquele meu sonho, que eu achava tão bonito, tivesse acabado”, sendo tal sonho, por seu turno, o sonho de ver “um príncipe que tomasse não o lado do Brasil oficial, mas do Brasil real, do povo de Canudos” [8], do Império do Belo Monte, ou “Império do Belo-Monte de Canudos”, como dizia [9].

Jamais, porém, deixou Suassuna de acreditar e proclamar que a forma de governo mais adequada à Tradição Nacional e ao chamado Brasil real é a Monarquia, que é, ademais, em seu entender, esteticamente “mais bonita do que a república” [10].  

Os mesmos motivos que levaram o autor da História do rei degolado nas caatingas do Sertão a deixar a militância monárquica o levaram a anunciar, na mesma ocasião, que se afastava definitivamente da Literatura. Poucos anos mais tarde, contudo, voltou a escrever, iniciando a confecção de um novo romance, espécie de continuação do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta e que seria, segundo ele, sua obra máxima, mas que, infelizmente, não foi concluído, tendo sido apenas terminado o primeiro volume de tal obra, ainda inédito.

Em 1987, Suassuna deixou, depois de trinta anos, de ensinar História da Cultura no curso de mestrado em História da Universidade Federal de Pernambuco e, em 1989, deixou de lecionar Teoria do Teatro, Estética e Literatura Brasileira na mesma universidade, se aposentando. No mesmo ano, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, tomando, no ano seguinte, posse da cadeira número 32 da chamada Casa de Machado de Assis, cujo patrono é Manuel de Araújo Porto-Alegre, Barão de Santo Ângelo, e cujo primeiro ocupante foi Carlos de Laet.

Em 1993, foi eleito membro da Academia Pernambucana de Letras, na qual ocupou a cadeira número 18, cujo patrono é Afonso Olindense Ribeiro de Souza. No mesmo ano, foi realizada, em São José do Belmonte, nos Sertões de Pernambuco, a primeira Festa da Pedra do Reino, cavalgada inspirada no romance de Suassuna.

No ano de 1994, foi exibida, na Rede Globo de Televisão, uma adaptação da peça Uma mulher vestida de sol, e foi publicado, pelas Edições Bagaço, do Recife, o romance A história do amor de Fernando e Isaura, escrito, como vimos anteriormente, em 1956. No ano seguinte, foi nomeado, pelo Governador Miguel Arraes, Secretário de Cultura de Pernambuco, cargo que ocupou até 1998, e foi exibida, na Rede Globo de Televisão, uma adaptação da Farsa da boa preguiça.

Em 1998, foi publicado, no Recife, pela editora Ancestral, o CD Poesia viva de Ariano Suassuna e, no ano seguinte, pela Editora Universitária, o livro Poemas. Embora poucos sejam aqueles que dão importância à poesia de Suassuna, é este, inegavelmente, um inspirado poeta, sendo mister assinalar, ademais, que, como afirmou ele, a poesia era a “fonte profunda” de tudo quanto escrevia, incluindo o teatro e o romance [11], o que fica bem claro, aliás, para quem lê seus escritos em prosa, notadamente o Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, que é, sem dúvida alguma, um dos grandes poemas em prosa que cantam o Mundo do Sertão, ao lado de obras como Os Sertões, de Euclides da Cunha, Terra de Sol, de Gustavo Barroso, e Grande Sertão: veredas, de João Guimarães Rosa.

Em 1999, foi exibida, na Rede Globo de Televisão, em quatro capítulos, adaptação do Auto da Compadecida dirigida por Guel Arraes. Tal adaptação, que teve enorme sucesso de público, foi convertida em filme de igual sucesso no ano seguinte.

No ano de 2000, foi Suassuna eleito membro da Academia Paraibana de Letras, passando a ocupar a cadeira número 35, cujo patrono é Raul Campelo Machado, e recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal da Paraíba.

Em 2007, em homenagem aos oitenta anos de Ariano Suassuna, foi exibida, na Rede Globo de Televisão, a minissérie A Pedra do Reino, adaptação do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, sob a direção de Luiz Fernando Carvalho.

Em 2011, Ariano Suassuna se tornou Secretário da Assessoria de Eduardo Campos, então Governador de Pernambuco, permanecendo no cargo até abril deste ano. Sofreu a 21 de julho o acidente vascular cerebral que o vitimou dois dias mais tarde.

Não podemos concluir o presente artigo a respeito da vida e da obra do autor do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta sem evocar o fato de que teve este, em Taperoá, entre os anos de 1938 e 1941, seus dois primeiros mestres de Literatura nos tios Manuel Dantas Villar, meio ateu, republicano, anticlerical e de ideias socialistas, e Joaquim Duarte Dantas, católico, monarquista e integralista. Foi, aliás, em grande parte, pela influência do primeiro que se tornou Ariano Suassuna um homem que se proclamava “de esquerda” e mesmo socialista, do mesmo modo que foi graças à influência do segundo que se tornou o escritor patrício católico apostólico romano e monarquista, assim como profundo admirador da figura d’El-Rei Dom Sebastião I “de Portugal, do Brasil e do Sertão”, como diria [12]. Integralista talvez não tenha se tornado por não haver conhecido o pensamento econômico e social do Integralismo, inspirado, aliás, na Doutrina Social da Igreja, que o autor da História do rei degolado nas caatingas do Sertão admirava, a associando, porém, equivocadamente, à “esquerda” e ao socialismo.

Da mesma forma, estamos certos de que, caso houvesse conhecido a fundo a obra literária e religiosa de Plínio Salgado, teria Suassuna nutrido pelo Chefe Nacional do Integralismo mais respeito do que aquele já considerável que nutriu por este, apesar do autor da Vida de Jesus e de Primeiro, Cristo! havê-lo acusado de ser comunista e ter atacado duramente seu Auto da Compadecida [13].

Isto posto, cumpre sublinhar que, a despeito de se proclamar “esquerdista” e mesmo socialista, foi Ariano Suassuna, ao longo de toda a vida, um crítico tão ferrenho do comunismo quanto o foi do capitalismo liberal e daquilo a que bem denominou “modernidade liberal” [14]. A propósito, reputamos ser relevante transcrever aqui um breve trecho da entrevista concedida pelo autor de As infâncias de Quaderna à Folha de S. Paulo, em 1991, no qual fala de sua aversão ao marxismo e à tirania soviética:

 "...sempre fui socialista, mas sempre tive horror ao marxismo. Eu acho o marxismo um pensamento estreito, castrador. Eu não me entendia com os comunistas brasileiros porque achava que eles agiam com faca de dois gumes, com pau de dois bicos. Quando eu denunciava o imperialismo americano e me batia contra a exploração americana no Brasil e coisa, eles batiam palma para mim. Mas quando eu dizia que o stalinismo era uma ditadura horrorosa, assassina, era considerado vendido aos americanos, a Wall Street. Eu sempre denunciei as duas coisas" [15].

Faz-se mister salientar, do mesmo modo, que Ariano Suassuna sempre proclamou suas convicções católicas, defendendo corajosamente princípios da Fé e da Moral Católica em diversas ocasiões, havendo sido, aliás, muitas vezes chamado de “arcaico” em razão disto. Na palestra que deu no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, a 18 de abril de 2012, na inauguração do Auditório Ministro Mozart Victor Russomano, afirmou ele, com efeito, que era católico e que sua “visão do mundo e do homem” era “uma visão religiosa”, refutando, em seguida, a teoria da evolução, de Charles Darwin. Pouco mais tarde, aduziu que, diversamente dos “herois” de Cazuza, que, segundo este, morreram de overdose, seu “Heroi principal” jamais teve uma overdose, tendo morrido na Cruz, entre dois ladrões, e ressaltou que era necessário sustentar os valores religiosos e morais “sem ter medo de ser considerado arcaico” ´[16].

Joaquim Duarte Dantas, o tio católico, monárquico e integralista de Suassuna, inspirou o personagem Samuel Wandernes, ou Wan d’Ernes, como este preferia que escrevessem, do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, assim como Manuel Dantas Villar inspirou o personagem Clemente Anvérsio, do mesmo romance.

Promotor de Justiça de Taperoá e inspirado poeta, foi Samuel Wandernes o criador do movimento literário denominado “Tapirismo Ibérico-Armorial do Nordeste”, para o qual “onça é ‘jaguar’, anta é ‘Tapir’, e qualquer cavalinho esquelético e crioulo do Brasil é logo explicado como ‘um descendente magro, ardente, nervoso e ágil das nobres raças andaluzas e árabes, cruzadas na Península Ibérica e para cá trazidas pelos Conquistadores fidalgos da Espanha e de Portugal, quando realizaram a Cruzada épica da Conquista’” [17], isto é, da Conquista da América Hispânica, Lusíada e Castelhana, que Wandernes qualificou de autêntica “‘Epopeia’” [18].

Isto posto, cumpre enfatizar que o estilo de escrita de Pedro Quaderna, protagonista e narrador do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, e, por conseguinte, do próprio Suassuna, é, em suas palavras, uma “fusão feliz” do estilo rebuscado do “Tapirismo Ibérico-Armorial do Nordeste” e do estilo simples do “Oncismo Negro-Tapuia do Brasil”, criado pelo Professor Clemente Anvérsio [19].

Samuel Wandernes não era um filho do Sertão, mas sim um “‘um gentil-homem dos Engenhos pernambucanos’, como costumava dizer” [20]. Depois de se formar em Direito pela tradicional Faculdade de Direito do Recife, no dealbar do século 20, planejara aquele então jovem “‘poeta do Sonho e pesquisador da Legenda’” escrever “uma obra-de-gênio intitulada O Rei e a Coroa das Esmeraldas”. Para a feitura de tal “‘livro de tradição e de brasilidade’”, se dedicara a pesquisas heráldicas e genealógicas sobre as famílias aristocráticas de Pernambuco, antiga Nova Lusitânia, acabando por se deparar, no meio de tais pesquisas, com a história da família Garcia-Barretto, chegando à conclusão de que o patriarca de tal família, Dom Sebastião Barretto, não era senão El-Rei Dom Sebastião I de Portugal, que teria vindo para o nordeste da Terra de Santa Cruz depois da derrota de Alcácer-Quibir, no norte da África. Descobrira, ainda em suas pesquisas, que a família Garcia-Barretto ainda sobrevivia, nos fundos do Sertão do Cariri da Paraíba, estando viva, pois, a descendência do soberano “‘moço, casto e guerreiro como o Santo que lhe deu o nome’” e que foi, em seu sentir, um “‘Cruzado e cavaleiro medieval extraviado na Renascença ibérica’” [21], havendo decidido então seguir para o Sertão, onde acabara por permanecer depois de ali ter encontrado os supostos descendentes d’El-Rei Dom Sebastião.

Samuel Wandernes, que brilhava de modo singular na “plêiade zodiacal e literária de Taperoá” [22], foi, ao lado de Pedro Quaderna e de Clemente Anvérsio, fundador da “Academia de Letras dos Emparedados do Sertão da Paraíba” [23]. Patriota, nacionalista e defensor da Fé Católica e do retorno do Brasil “a seus caminhos”, ou seja, ao “caminho ibérico e fidalgo dos Conquistadores e sertanistas” [24], era ele um profundo admirador de Plínio Salgado, com quem tinha contato desde o tempo em que este liderara o movimento literário denominado “Revolução da Anta” e a quem via como uma das grandes “‘esperanças de restauração do grande império da Nova Ibéria’” [25]. Após a fundação, por Plínio Salgado, da Ação Integralista Brasileira (AIB), o poeta fidalgo dos engenhos da antiga Nova Lusitânia entrou para tal organização, fundando o núcleo integralista de Taperoá. Tinha até mesmo “‘recebido um cartão de Plínio Salgado, com quem passara a manter relações de amizade depois da visita que o Chefe Nacional fizera ao Sertão da Paraíba, em companhia dos intelectuais paraibanos Hortênsio Ribeiro e Pedro Batista’, como diziam na rua, deslumbrados com o prestígio de Samuel, pois o Chefe Plínio Salgado, além de político, era um literato nacionalmente consagrado” [26].

Isto posto, cumpre assinalar que o personagem Samuel Wandernes apresenta algumas posições que diferem sobremaneira daquelas da Doutrina Integralista, a saber, um certo desprezo pelo povo e pelo Sertão e mesmo preconceitos de ordem étnica contra negros e índios. Não sabemos se Joaquim Duarte Dantas, que, como vimos, inspirou o aludido personagem de Suassuna, tinha tais ideias, mas se as tinha, estava parcialmente em desacordo com os princípios da Doutrina do Sigma.  

Já havendo nos estendido além do que pretendíamos, encerramos aqui o presente artigo em memória de Ariano Suassuna, sublinhando, uma vez mais, que o romancista do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, dramaturgo de O desertor de Princesa e poeta de Pasto incendiado é um dos primeiros vultos do firmamento literário pátrio, tendo sido, em vida, ademais, um dos primeiros patriotas deste Império de Santa Cruz-Brasil. E àqueles que nos censurarem por elogiá-lo, nos apontando seus erros políticos e doutrinários e os defeitos que há em sua obra, responderemos dizendo que não é por estar equivocado em algo que alguém está equivocado em tudo.


Victor Emanuel Vilela Barbuy,
Presidente Nacional da Frente Integralista Brasileira.
São Paulo, 17 de agosto de 2014-LXXXI.



Notas:
[1] Cumpre sublinhar que todos os intelectuais mencionados, com exceção de Gladstone Chaves de Mello, Sílvio Meira, Peregrino Júnior e Vianna Moog, foram, assim como Suassuna, membros fundadores do Conselho Federal de Cultura.
[2] Um romance picaresco?, in Ariano SUASSUNA, Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, 8ª edição, Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 2006, p. 16.
[3] Idem, p. 17.
[4] Trecho de texto citado na contracapa da 8ª edição do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, já aqui citada.
[5] Trecho de texto citado na contracapa da 8ª edição do Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, já aqui citada.
[6] A Pedra do Reino, in Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, p. 745.
[7] Idem, p. 754.
[8] Entrevista publicada no jornal Folha de S. Paulo em 26 de outubro de 1991. Disponível em: http://almanaque.folha.uol.com.br/leituras_16jun00.htm. Acesso em 10 de agosto de 2014.
[9] Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, cit., p. 7.
[10] Entrevista publicada no jornal Folha de S. Paulo em 26 de outubro de 1991 e já aqui citada.
[11] Idem.
[12] Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, cit., p. 7.
[13] Cf. Ariano SUASSUNA, Meu “comunismo”, in Folha de S. Paulo, 31/08/1999. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz31089907.htm. Acesso em 11 de agosto de 2014.
[14] Entrevista publicada no jornal Folha de S. Paulo em 26 de outubro de 1991 e já aqui citada.
[15] Idem.
[16] Vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5MDYKt7Bb0g. Acesso em 11 de agosto de 2014.
[17] Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta, cit., p. 50.
[18] Idem, p. 62.
[19] Idem, p. 50
[20] Idem, pp. 165-166.
[21] Idem, p. 166.
[22] Idem, p. 177.
[23] Idem, p. 183.
[24] Idem, p. 188.
[25] Idem, p. 246.
[26] Idem, p. 254.


20/08/2014, 10:00:36



Ariano Suassuna, in memoriam | - Integralismo | Frente Integralista Brasileira ..