Todos os sofrimentos do mundo moderno se originam de um só defeito da grande máquina: a falta de disciplina.

O conceito da liberdade excessiva, o predomínio do indi­vidualismo mais desenfreado determinou o desequilíbrio social que perturba o ritmo da vida do nosso século.

Desde a Revolução Francesa, outro não tem sido o grito da humanidade senão aquele que atroou todos os recantos do mundo e do século:

— Liberdade! Liberdade!

E foi a liberdade que espalhou pelas nações as doutrinas mais contraditórias, as afirmativas mais absurdas, os brados mais lancinantes de angústia do pensamento e do coração.

* * *

Liberdade! clamava o homem e, clamando, tratava de conquistar os meios com que pudesse exercer, com forte base econômica, a sua faculdade de ser livre.

Foi assim que se formaram os primeiros capitais da ava­reza.

Liberdade! clamavam os banqueiros, e foi assim claman­do que dominaram as Nações, escravizaram as indústrias e o comércio, humilharam os produtores.

Liberdade! clamavam os industriais e comerciantes e, entregues às leis da concorrência, livraram-se da disciplina do Estado mas caíram no cativeiro dos agiotas.

Liberdade! clamavam os patrões e, em nome da liberda­de de contrato, passaram a explorar os pobres, e o trabalho humano transformou-se em mercadoria sujeita às leis da oferta e da procura.

Liberdade! clamavam, por sua vez, os proletários, os quais, assistindo ao espetáculo de luxo e paganismo de seus chefes, endureceram o coração e lançaram-se nas tremendas lutas de classe, feitas de ódio e de revolta.

Liberdade! clamavam os pais, os esposos, os filhos, e ruiu a estrutura dos velhos lares felizes e tranquilos.

Liberdade! clamava a imprensa, e na livre concorrência comercializou-se, ao gosto depravado das turbas, que precisou agradar, e dos argentários, aos quais precisou vender-se.

E, em nome da liberdade, o gênero humano caminha para a ruína total, destruindo o ritmo de sua existência com a morte da disciplina.

* * *

A indisciplina destrona a modéstia e erige em ídolo a vai­dade e o orgulho; transforma o amor em puro instinto sexual; reduz a amizade a uma questão de oportunidade; considera a honra como um ponto de vista; examina os costumes como relatividade de convenientes; semeia o ódio sobre a terra; cria uma civilização de rebelados.

LEIA TAMBÉM  O maior dos comunistas

Já o homem não sabe defender-se dos vícios. Libertando-se da disciplina do espírito, cai na escravidão dos instintos.

O homem, agora, é livre. Livre de todos os preconceitos. Não tem sentimento nem religioso nem cívico. A Pátria, que é a Pátria, depois que lhe deram a significação meramente política de vontade geral? A Pátria é uma convenção.

Assim a julga a mentalidade capitalista. Assim também a imagina a classe operária.

É que a Pátria, ela mesma, é uma expressão de discipli­na. E, tendo desaparecido a disciplina, desaparece a Pátria.

* * *

Dessa forma a humanidade marcha até a Grande Guerra. Culmina no seu delírio e desce, agora, a encosta dolorosa da desilusão, da tristeza surda, da insatisfação.

Essa insatisfação não se aplacará em qualquer regímen, seja ele qual for.

O próprio comunismo é uma ilusão. Pois, devendo impor uma atroz disciplina, virá contrariar o individualismo, que atualmente busca nele o derivativo máximo.

Liberdade! Liberdade! Nunca o gênero humano foi mais infeliz! Nunca foi tão prisioneiro… Nem mais escravo.

* * *

E a Liberdade é o supremo dom do Homem. É a digni­dade da nossa Espécie. É a alegria dos nossos movimentos. É nossa honra e nossa glória, nossa aspiração superior.

Quem a degradou assim? Quem a tornou uma enfermi­dade e um opróbio?

O Liberalismo.

Como salvaremos a Liberdade? Pela disciplina.

Plínio Salgado

Notas:

[1] O Sofrimento Universal, ed. cit., pág. 217 e 220).

 

X