Engenheiro, advogado, economista e professor. É um dos nomes mais importantes da história de Presidente Prudente e Santo Anastácio, das quais foi vereador, tendo dado o nome que batizou a segunda.

Em 1931, João Carlos Fairbanks tornou-se seguidor de Plínio Salgado. No ano seguinte, participou da Sociedade de Estudos Políticos, filiando-se à Ação Integralista Brasileira logo que fundada. Antes disso, foi um dos fundadores do Patrianovismo.

A partir de 1935, foi Deputado Estadual de São Paulo pela Ação Integralista Brasileira, e, entre 1948 e 1951, Vereador de São Paulo pelo Partido de Representação Popular.

Escreveu importantes estudos sobre a antropologia e antropogeografia do meio rural do Brasil, defendendo os princípios da “civilização caipira” e a solução da Questão Social. Participou da elaboração do Código de Processo Paulista.

Em 1948, publicou o importante livro Refutação Científica ao Comunismo, em que usa a Sociologia, a Economia Política e Macroeconomia, a Teologia e Religião, a Psicologia, a Estatística, o Direito e a História para refutar o conceito social, econômico e jurídico dos marxistas brasileiros, em prol da Doutrina Integralista e da Doutrina Social da Igreja. Publicou duas teses de concurso para a Escola Politécnica de São Paulo.

Destacava a necessidade de uma visão integral, estatística, total, dos problemas políticos, administrativos, sociais e econômicos do Brasil. Era católico, conhecido por sua piedade.

João Carlos Fairbanks

Mais informações

João Carlos Fairbanks nasceu em 16 de agosto de 1891, no estado de São Paulo, em São Simão, cidade da qual seu pai, João Cezimbra Fairbanks, foi prefeito.

Em 1914, formou-se Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo, sendo Livre Docente da Cadeira nº 19, Economia Política, Estatística Aplicada e Organizações Administrativas. Em 1929, formou-se em Direito pela Faculdade de Direito de São Paulo.

Tomou posse como Deputado Estadual em 24 de abril de 1935, envergando o uniforme integralista. Na ocasião, falou como juramento: “Prometo trabalhar pelo bem de São Paulo e, por conseguinte, fazer todo o mal à liberal-democracia”. A sessão precisou ser reaberta, após um intenso tumulto da oposição. Em seguida à reabertura, Fairbanks fez “anauês” ao Chefe Nacional Plínio Salgado e aos integralistas presentes.

João Carlos Fairbanks assinando contra a promulgação da Constituição de São Paulo

Seus anos como Deputado Estadual foram agitados e polêmicos. Tornou-se uma das figuras mais centrais da vida parlamentar.

LEIA TAMBÉM  Caetano Spinelli

Em 1946, participou da fundação do Partido de Representação Popular.

Após 1957, foi professor na Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da Instituição Toledo de Ensino em Bauru, e, depois, na Faculdade de Ciências Econômicas de Tupã.

Faleceu em 16 de outubro de 1978.

Artigos disponíveis

Fontes biográficas